"Ser criativo nem sempre é inovar, às vezes significa olhar para trás e trazer o conhecido de forma inesperada." - Alex Atala
“Nothing is more interesting than that something that you eat.” - Gertrude Stein - Gastronomica-The Journal of Food and Culture
Mantemos um senso comum com relação a higiene medieval que generalizou-se como verdade, porém as pessoas na Idade Média se banhavam sempre que possível e tentavam se manter limpas.
Hoje como antigamente o cuidado com a limpeza na cozinha e na higienização dos alimentos é um procedimento de extrema importância: lave bem as mãos antes de usar a cozinha; limpe os utensílios que irá usar, peças de equipamentos e local de trabalho; higienize corretamente dos vegetais - legumes, hortaliças e frutas. E NÃO lave as carnes.

sábado, julho 01, 2017

COELHO E A FOME - sec. XIV

A Idade Média foi marcada pela força da igreja e a gastronomia seguiu a mesma linha foi baseada em vinhos em pães e também eram baseados na cozinha romana, os monges simplificaram a preparação dos alimentos e enriqueceram a qualidade dos produtos, o peixe e o coelho foram alimentos muito valorizados e também havia o uso de especiarias, como pimentas, noz moscada, gengibre, canela, cravo e outros.

Porem, a fome no âmbito da Baixa Idade Média significava que as pessoas morriam de falta de víveres em larga escala. Pessoas começaram a colher raízes comestíveis, frutos e castanhas, e caçar animais, obtidos nas florestas. Apesar de brutais, fomes eram ocorrências familiares na Europa medieval. Para a maioria das pessoas não havia o suficiente para comer e a vida era relativamente curta. 

Na primavera de 1315, chuvas acima do normal começaram na maior parte da Europa. Pela primavera e verão, continuou chovendo e a temperatura se mantinha fria. Nestas condições os grãos não semeavam. Os grãos foram levados para silos em urnas e potes. Os alimentos para os animais não podiam ser curados, então não existia ração para o gado. O sal, a única maneira de curar e preservar carne, era difícil de se obter, porque a água não evaporava no tempo (h)úmido.

Na primavera de 1316, continuava chovendo sobre uma população europeia desprovida de energias e reservas para se sustentar. Para prover algum alivio, o futuro foi sacrificado, matando animais de reprodução, consumindo sementes de plantação, abandonando as crianças, e, entre os idosos, voluntariamente negar alimentos para dar esperança para as gerações jovens sobreviverem. 

O pico da fome foi atingido em 1317 quando o tempo úmido acabou. Finalmente, no verão, o tempo voltou ao seu padrão normal. Porém, as pessoas estavam enfraquecidas por doenças e muito dos estoques de sementes haviam sido consumidos, e apenas em 1325 os níveis de alimentos voltaram para condições relativamente normais.

As péssimas condições de vida vigente, a pessima situação de higiene e a má alimentação ajudaram para a propagação de doenças epidêmicas que culminou com a Peste Negra (1347-1350).

Durante a Idade Média, muitas cozinhas tradicionais começam a aparecer refletindo as diversas características étnicas e regionais. Mas os cataclismos que assolaram a Europa não permitiram um grande avanço da arte culinária salvo alguns casos esporádicos dentro de casas senhorial.

Somente com a chegada do Renascimento é que a gastronomia atinge um elevado grau, que tem conservado até aos nossos dias.

INGREDIENTES

1 coelho
2 copo de vinho branco
100 ml de azeite ou bacon em cubos
4 dentes de alho
2 ramo de alecrim
2 folha de louro
Ramos de salsa
Sal
Grãos de Pimenta

PREPARAÇÃO

Corte o coelho em pedaços, coloque-o num recipiente e tempere com uma pitada de sal, pimenta, 2 alhos esmagados, louro e salsa. Cubra com o vinho branco, envolva bem o coelho nesta mistura que deve ser reservada e deixe marinar por cerca de 1 hora, para que ganhe gosto.

Na caçarola com boa tampa toste o bacon ou coloque o azeite. Disponha o coelho marinado no fundo juntando os dentes de alho amassados, o alecrim, o sal e a pimenta-do-reino. Regue com o marinado (q.b.), tampe a caçarola e cozinhe em fogo médio durante 30 minutos mexendo levemente na metade do tempo. Findo o tempo, retire a carne e as especiarias. Deixe o marinado (coado) reduzir pela metade. Arrume a carne numa travessa e derrame o molho (marinado reduzido). Sirva com fatias grossas de pão ou se preferir arroz branquíssimo. Salada de folhas verde e cenoura para acompanhar.

OBS.:
Use uma panela de fundo grosso, tipo caçarola, com tampa de ENCAIXE PERFEITO. Coloque um pano úmido gelado sobre a tampa, (deixe um de reserve para ir trocando, se necessário) para ajudar a manter os aromas do ensopado dentro da panela.

Um comentário:

Anônimo disse...

Como coelho, já faz uns 20 anos... esta receita parece particularmente boa. Gostaria de tentar fazer.
Adoro História Medieval e adoro comida, estou no melhor dos mundos, rs

Abraços
Amelinda Aura